RUMO A UM HABITAT

 

DIFERENTE

 

36 projetos e realizações de Luigi Pellegrin arquiteto

um e-book de Dott. Arch. Michele Leonardi © todos os direitos reservados

 

 

 

Introdução

 

 

 

 

 

É NATURAL 

acreditar que a cidade é o signo invencível de todas as civilizações humanas. O traçado urbano estigmatizado por Hipódamo de Mileto há mais de 2.000 anos, e aqui reduzido a pura malha de parcelamento, , - sem sequer áreas sociais, sem praça, sem parque, sem avenida com grandes calçadas para caminhar, sem espaço público para reuniões -, estaria implícito na existência de todas as sociedades; segundo essa lógica suposta espontânea, a malha urbana bidimensional seria um evento inevitável, assim como o edificio-caixa. Dois modelos de habitação, o de padrão urbano de Hippodamus e o de edifício-caixa, aparentemente práticos, económicos e..."à escala humana":

 

             1 - Uma vista aérea de um bairro de Los Angeles.    

 

             2 - Arranha-céus de Los Angeles à noite.                

             3 - Um subúrbio metropolitano de Detroit caracterizado por edifícios

               de baixa densidade populacional.           

 

             4 - Contentores empilhados no porto de Cingapura.               

 

5 - Arranha-céus residenciais típicos de alta densidade populacional localizados em Hong Kong, devido à pequena quantidade de espaço disponível nesta cidade, mas refletindo a prática comum de construção em todo o mundo. 

 

 

 

 

 

O QUE HÁ DE 

comum neste conjunto de edifícios e contentores é o seu grau de organização espacial e funcional. Como se sabe, os contêineres são caixas de ferro padronizadas para mercadorias que, no caso do porto, aguardam encaminhamento para outros locais. Até aqui tudo é normal. O problema é que o mesmo tratamento, ou seja, de objetos puros empilhados um ao lado do outro, também é reservado aos edifícios urbanos, ou seja, aos componentes das cidades. Este é o mesmo grau de organização que em geral podemos observar em uma biblioteca, em um cemitério, em um estacionamento cheio de carros. O achatamento cultural global e o conformismo que nos fazem acreditar que esta forma de viver na Terra parece que é o destino inevitável para o homem contemporâneo: um número entre bilhões de números, carne enlatada, objetos passivos para colocar em contentores.

Com um neologismo, chamamos esse traçado urbano milenar, repleto de edificio-caixas, "a cidade-habitat". Como se sabe, sobretudo desde há um século, este modelo de habitat (em particular o dos modernos zoneamento urbanoproduz em todo o mundo apenas novos subúrbios miseráveis ​​e cidades anônimas. Estamos falando de "a soma que nunca é uma soma", ou seja, um conjunto de "peças" separadas, que nunca estão ligadas entre si. Se substituirmos o motor antigo de um carro por um novo motor ecológico, o resultado não muda: o carro novo é ecologicamente correto, mas o resultado final é sempre o mesmo, o novo sistema é sempre o mesmo de antes, o antigo carro. Da mesma forma, um novo edifício ecologicamente correto não pode mudar nada no contexto da cidade se for conceitualmente sempre e apenas um contêiner indiferente ao conteúdo. Desta forma, a nova peça não produz nenhuma mudança no sistema, a cidade-habitat contem-porânea.

Bilhões de vidas humanas gastas perseguindo uma quimera, ou seja, uma felicidade que nunca pode ser alcançada, perseguindo uma infinidade de tendências e símbolos de status, tentando se adaptar a uma realidade não humana, a da cidade-habitat, uma loteria abominável onde muito poucas pessoas podem ganhar. Lembremos que na natureza se ganha a cooperação, não a competição: o darwinismo social não é uma lei da natureza.

 

 

 

 

NO INÍCIO  

dos anos 80, parece que com o advento do neoliberalismo econômico, a pesquisa de novos modelos e construções de habitar parou, e passou para o desengajamento: assim nasce o Pós-modernismo. De repente, qualquer pesquisa anterior foi rotulada como utópica, tanto em termos de inovação tipológica quanto em termos de visão. Por exemplo, o que aconteceu com James Stirling, um mestre da arquitetura moderna, que passou da Seeley Historical Library em Cambridge para a Neue Staatsgaleriee em Stuttgart? A primeira construção é de 1968 e a segunda de 1984: ambas são suas obras. Mas são duas tipologias e duas arquiteturas extremamente distantes uma da outra e, sobretudo, não há passagem intermediária entre essas duas obras. Este passo intermediário está faltando simplesmente porque houve uma parada de toda pesquisa arquitetônica e urbanística, um recuo não estratégico, um abandono de armas, uma fuga da realidade. Houve um desengajamento não só de Stirling, mas praticamente de todos os arquitetos da época, com poucas exceções, como Renzo Piano ou Richard Rogers (na época rotulado como "arquitetura de alta tecnologia"), Moshe Safdie, Lucien Kroll , Paolo Soleri (marcado como utópico), Luigi Pellegrin e alguns outros, que não se renderam às delícias recreativas do pós-modernismo arquitetônico. Veja, por exemplo, a Fábrica de Cerâmica Solimene em Vietri sul Mare, projetada por Paolo Soleri:

 

 

...Na sua opinião, parece uma arquitetura utópica? ou seja, irrealizável? Ainda funciona hoje desde 1953! Óbvio que não é uma utopia, porque se realizou. Então só um grande estúpido poderia dizer que suas arquiteturas são utópicas! No entanto, alguns definiram Soleri como um utópico. Certamente para uma sociedade estéril tudo é impossível, tudo é uma utopia. Mas nosso imenso recurso é o pensamento humano, não o ouro dentro da mina, nem o petróleo sob o solo. Na verdade, foi o homem que deu valor ao ouro, ao petróleo e assim por diante. O petróleo sempre esteve no subsolo, mas foi a humanidade que fez do petróleo um recurso. Quantos outros recursos poderíamos ativar, como sociedade humana, se apenas quiséssemos?

 

 

 

 

ENTÃO 

o que você pode fazer hoje? 

Podemos esquecer todos os velhos e novos formalismos: o pós-modernismo, já há muito caído no esquecimento, as sombras do desconstrutivismo, a retórica do falso verde aromatizado com um toque mágico de vegetais, como os prados factícios forçados colados às superfícies verticais dos edifícios. E podemos resumir a pesquisa arquitetônica de onde foi interrompida. Mas acho que seria melhor aprender com quem nunca interrompeu essa pesquisa: Paolo Soleri, Moshe Safdie, Lucien Kroll, Richard Rogers, Gernot Minke, Cesare Rocchi, Ralph Erskine, ...Luigi Pellegrin, e alguns outros. Esta é a coisa mais sábia a fazer.

 

   M.L.

 

 

 

 

 

A cidade contemporânea é o cemitério do nosso espírito. E se colocarmos "vegetais ecológicos" em todos os lugares da cidade, nos telhados dos prédios, etc., nada mudará. Não estou me referindo a jardins suspensos ou fazendas urbanas. Mas um edifício não é automaticamente ecológico só porque colocamos plantas nele! Estamos falando de "a soma que nunca é uma soma", ou seja, um conjunto de peças separadas, que nunca se relacionam de forma alguma. Aqui está uma metáfora da soma que nunca faz uma soma:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ACKNOWLEDGMENTS

Even the longest journey begins with a first step! Systemic Habitats is on line since the 18th of May 2012. This website was created to publish online my ebook "Towards another habitat" on the contemporary architecture and urbanism. Later many other contents were added. For their direct or indirect contribution to its realisation, we would like to thank: Roberto Vacca, Marco Pizzuti, Fiorenzo and Raffaella Zampieri, Antonella Todeschini, All the Amici di Marco Todeschini, Ecaterina Bagrin, Stefania Ciocchetti, Marcello Leonardi, Joseph Davidovits, Frédéric Davidovits, Rossella Sinisi, Pasquale Cascella, Carlo Cesana, Filippo Schiavetti Arcangeli, Laura Pane, Antonio Montemiglio, Patrizia Piras, Bruno Nicola Rapisarda, Ruberto Ruberti, Marco Cicconcelli, Ezio Prato, Sveva Labriola, Rosario Francalanza, Giacinto Sabellotti, All the Amici di Gigi, Ruth and Ricky Meghiddo, Natalie Edwards, Rafael Schmitd, Nicola Romano, Sergio Bianchi, Cesare Rocchi, Henri Bertand, Philippe Salgarolo, Paolo Piva, Norbert Trenkle, Gaetano Giuseppe Magro, Carlo Blangiforti, Mario Ludovico, Riccardo Viola, Giulio Peruzzi, Ahmed Elgazzar, and last but not least the kind Staff of Ionos.   M.L.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

          e x t e r n a l    l i n k s :

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 
Number  of  Visitors  from  2012:

               Thanks for your visit !

                       

 M.L.